Você já ouviu falar da Síndrome do Pôr do Sol?

Esse é um quadro clínico, em que ocorrem mudanças significativas no comportamento do idoso no período do fim do dia. Idosos com demências como o Alzheimer, têm uma tendência maior em apresentá-la. Abaixo listamos algumas características que são observadas na síndrome:

  • Perda mais aguda de noção espacial 
  • Irritabilidade 
  • Agitação 
  • Choros
  • Ouvir e ver pessoas
  • Desejo de ir embora do local/ Ir para outro local
  • Perambulação
  • Sono Perturbado 

 A origem da síndrome ainda é desconhecida, mas acredita-se que tem forte relação com doenças que afetam o nosso “relógio biológico”, ou seja, o sistema responsável pelo controle de dia e noite ( dormir e acordar) do nosso corpo. Por esse motivo, os sintomas aparecem no período de transição “claro para escuro”.

E como lidar?

Chegando a noite, recomenda-se que crie um ambiente iluminado no local em que o idoso está. Dessa forma, a percepção da mudança do dia para noite é minimizada, e isso previne que os sintomas apareçam ou que apareçam de forma intensa.

 Ter uma rotina é uma estratégia importante para o controle dos sintomas, ainda mais quando atividades físicas e prazerosas para o idoso estão presentes. Se tornando ainda mais relevante se exercida próximo ao período de mais prevalência da síndrome, pois ajudam a desfocar a atenção da passagem do dia para a noite.

 E não podemos esquecer da importância de uma comunicação acolhedora e paciente, pois o idoso não controla ou tem a noção de que aquilo está acontecendo com ele. É interessante filtrar conteúdos pelos assistidos e o pelo idoso, pois estimulam a agressividade e agitação.

 Se você notar alterações no comportamento do seu familiar / paciente como essas citadas acima, não esqueça de informar ao médico e equipe de saúde que o acompanha, o diagnóstico precoce faz toda diferença. Pensar em estratégias individualizadas é a diferença do nosso cuidado!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.