Problemas de audição mais comuns na terceira idade

Quem convive com idosos muito provavelmente já observou alguma situação em que ele não entendeu algo que foi falado ou interpretou alguma fala de forma equivocada. Esses casos exemplificam os problemas de audição mais comuns na população idosa. Especialistas afirmam que algumas pessoas já apresentam algum grau de perda de audição a partir dos 40 anos. A causa? O envelhecimento: depois dos 65 anos, a perda auditiva tende a ser mais severa. Essa diminuição na capacidade de ouvir por conta da idade é chamada de Presbiacusia.

Problemas de audição mais comuns em idosos: como lidar com o inevitável

Entre os principais fatores causadores desse quadro estão a hereditariedade e a exposição frequente a ruídos altos ao longo da vida. Algumas vezes as pessoas afetadas ainda apresentam sintomas como zumbido, vertigem e desequilíbrio.

Existem quatro graus de Perda auditiva:

1 – Perda leve: pessoas sentem dificuldade de manter um diálogo em ambientes barulhentos.
2 – Perda moderada: pessoas sentem dificuldade de manter um diálogo sem aparelhos auditivos.
3 – Perda severa: pessoas podem se beneficiar com o uso de aparelhos auditivos e a leitura labial pode ajudar o diálogo.
4 – Perda auditiva profunda: pessoas na maioria das vezes confiam na leitura labial e/ou em linguagens de sinais para o diálogo.

Quem convive com idosos precisa prestar atenção aos sintomas, pois é muito comum que a dificuldade na compreensão acarrete em isolamento social e consequentemente venha a causar depressão. Isso ocorre porque muito frequentemente os familiares tratam o portador de deficiência auditiva como alguém confuso, desorientado ou distraído. Além disso, é comum a maioria dos idosos encararem a perda auditiva como algo inevitável e não tratável. Algumas vezes há demora para identificar o quadro justamente porque eles o ignoram, o que agrava todo esse cenário.

Outro fator que demanda zelo é o combate ao preconceito associado ao uso de aparelho auditivo, mesmo que a sua utilização signifique uma melhora na qualidade de vida do idoso. Algumas pessoas mais velhas se incomodam e até mesmo se recusam a utilizar o equipamento, mesmo que os dispositivos modernos estejam cada vez mais discretos e mais evoluídos em termos de tecnologia e design.

Alguns cuidados preventivos podem ser eficazes para retardar a perda auditiva:

– Manter os ouvidos limpos, mas sem excesso, pois o cerume também tem uma função protetora.

– Evitar introduzir o cotonete muito profundamente no ouvido para não machucar o tímpano.

– Realizar exames periódicos para verificar o estado da sua saúde auditiva.

Agora ficou mais fácil de evitar ou ao menos reduzir a presbiacusia, que é um dos problemas de audição mais comuns – especialmente em idosos. Lembre-se dessas dicas para manter a audição em bom estado!

Fonte de informações: www.tecnosenior.com